sexta-feira, 6 de abril de 2018

Afinal as frutas podem-se comer com casca ou sem casca?

Ultimamente temos conversado, nas horas da refeição, sobre a importância de comermos fruta com casca. Nesse sentido surgiu a pergunta: "Mas afinal que frutas é que se podem comer com casca?
Fomos, então,  ao nosso ficheiro de frutos, que temos na Área das Ciências e começámos por seriar conforme as sugestões de todas as crianças da sala. Depois de algumas ideias divergentes foi altura de irmos ao supermercado e comprarmos todas as frutas que estavam na nossa lista. 
Já na sala, cortámos as frutas e fizemos uma grande salada de frutas para a escola toda. Foi também nesse momento que ficámos a perceber quais eram as frutas que podíamos comer com casca, quais as que se comem sempre sem casca e ainda aquelas que se podem comer das duas formas. Para registarmos estas descobertas, fizemos um diagrama de Matemática.
Com o culminar do projeto, e depois de fazermos o nosso livro, foi tempo de comunicar ás outras salas as nossas descobertas.


terça-feira, 27 de março de 2018

Fizemos pizza!

Na semana passada a sala da Susana propôs-nos fazermos uma manhã de culinária em parceria. Primeiro fizemos a lista dos ingredientes que precisávamos e juntos fomos ao supermercado. Na manhã seguinte a Isabel da sala do berçário veio nos ensinar a fazer a massa. Amassámos a massa e estendemos. Depois cada um escolheu os ingredientes que queria para fazer a sua pizza. No final da manhã tivemos o privilégio de ter um almoço partilhado e bastante animado. As nossas pizzas estavam deliciosas.
 


terça-feira, 20 de março de 2018

19 de Março

Hoje foi dia do Pai e na nossa escola pudemos celebrar. Mas mais do que um dia do Pai hoje celebrou-se mais um dia da família na escola. Sabemos o quão difícil por vezes, é trazer os pais ou mães à escola num dia específico. Por esse motivo a nossa sala está aberta à família todo o ano. Ainda que seja importante para nós assinalar os dias festivos que existem no calendário e dar-lhes o nome devido (dia do Pai, dia da Mãe, etc.), o fundamental é sabermos que as crianças ficam felizes com quem quer que seja que esteja presente nesses dias. Afinal o que é a base deste dia e de outros semelhantes é  afeto. E esse não falta nunca! 

... e porque nestes dias o que mais importa é vê-los felizes, hoje tivemos o prazer de ter presente na nossa sala: Mães, pais, Avós, Avôs, Tios.... que juntos celebraram o dia do Pai. 

Este ano fizemos um quadro/chaveiro de recados para o Pai e hoje a atividade foi preencher um mural com a aquilo que nunca queremos esquecer... Entre mimos e brincadeiras, obrigada a todas as famílias por terem vindo!

terça-feira, 13 de março de 2018

Visita da mãe Rita

A mãe da Isabel veio à nossa sala fazer o jogo do twister. Foi uma manhã divertida onde pudemos consolidar alguns conhecimentos como a lateralidade - esquerda e direita. 
Todos nós, adultos e crianças, bem apertadinhos, conseguimo-nos pôr em cima do tapete ao mesmo tempo... Foi só rir!
 

Depois do jogo,  recebemos a Mãe Catarina na nossa sala que nos ajudou a  ouvir o coração da Pilar. Foi um momento muito ternurento, pois até a Isabel se emocionou. Também nós tivemos oportunidade de ouvir os nossos corações e perceber que uns batiam mais depressa do que outros.
 
Obrigada Rita e Catarina por esta manhã tão boa.

sexta-feira, 9 de março de 2018

O Pomar da Diese

Era só uma ida ao café ocasional… Chegaram no meio da tempestade com 350 árvores de fruto para fazer nascer o Pomar da Diese. Que surpresa boa!!! A nossa manhã foi a plantar árvores, mesmo debaixo de chuva que, na minha opinião, tornou o dia ainda mais inesquecível. Obrigada a todos por terem abraçado a nossa casa e por fazerem também agora, parte dela.❤#familiadieserules #pilotodieserules


quarta-feira, 28 de fevereiro de 2018

Uma partilha diferente...Germinação dos feijões!

No início do ano o Vicente trouxe para a nossa sala a história do "João e o Pé de Feijão", dessa partilha surgiu a proposta de plantarmos e fazermos o registo da sua evolução. Os nossos feijões foram crescendo até que percebemos que os tínhamos de transplantar para um vaso e pôr uns pauzinhos para eles se suportarem. Ao fim de algum tempo percebemos que o nosso vaso estava a ficar pequeno para tantos feijões de tão grandes que eles já estavam. Numa reunião da manhã foi sugerido irmos à escola nova plantá-los na nossa horta com a ajuda dos nossos correspondentes.